SEGURO DEFESO | No AC, pescadores tentam sacar seguro defeso e descobrem que dinheiro foi retirado em outro estado; INSS aciona a PF

Nos Estados

Saques dos benefícios ocorreram no Pará e Goiás. Polícia Federal recebeu denúncia do INSS e investiga suposta fraude em Cruzeiro do Sul.

G1 - Ao menos sete beneficiários do Seguro Defeso em Cruzeiro do Sul foram surpreendidos ao procurar as agências bancárias para efetuar o saque do benefício e ficaram sabendo que o dinheiro já havia sido sacado em outros estados.

O gerente do INSS em Cruzeiro do Sul, Fernando Júnior, acredita que pescadores podem realmente ter sido vítimas de uma quadrilha.

“Recebemos algumas reclamações. Estamos encaminhado os casos para a Polícia Federal. Acredito que tenha uma quadrilha agindo, pois os saques são sempre feitos em Belém. Acredito que a Polícia Federal já esteja investigando estes fatos”, afirmou.

O G1 procurou a Delegacia de Polícia Federal em Cruzeiro do Sul e foi informado que a instituição já recebeu as denúncias feitas pelo INSS e que as informações foram repassadas à Polícia Federal do Pará e Goiás, onde supostamente ocorreram os saques.

Prejuízo

Um dos prejudicados é o pescador José Maria Alves da Silva, de 46 anos, morador da comunidade Boca do Moa. De acordo com ele, quando procurou a agência bancária em que recebe o benefício, ficou sabendo que seu dinheiro havia sido sacado em Goiânia (GO). Alves conta que nunca esteve fora do Acre.

Elenildo Nascimento, presidente da Colônia de Pescadores, acredita que os benefícios podem ter sido fraudados. Ele disse que ao menos quatro vítimas já denunciaram o desvio na colônia e outras três procuraram o local nesta terça(21).

“Eles [pescadores] relataram que quando foram sacar o dinheiro não estava mais na conta. Suspeitamos que temos mais vítimas desse golpe. É estranho o benefício dos pescadores serem cadastrados no Acre e o dinheiro sacado em outros estados. Alguns foram pagos em Belém (PA) e agora estão sacando em Goiás. Estamos tentando resolver com o INSS, pois acreditamos que esteja havendo fraude”, falou Nascimento.

Silva disse que tentou transferir o dinheiro para a conta de uma filha mas foi informado na agência que o cartão dele estava cancelado.

“Sou sócio da colônia desde 1990 e recebo o benefício desde que foi criado. Disseram que iam pedir outro cartão. A funcionária disse que o dinheiro tinha sido sacado em Goiás. O dinheiro está fazendo falta. Fiquei quatro meses sem pescar, dependendo de ajuda dos familiares. Quero saber quem sacou o que é meu”, questiona o pescador.

Ajuda jurídica

A Colônia de Pescadores está oferecendo ajuda jurídica aos pescadores que se sentirem lesados com o possível golpe. O presidente disse que contratou o advogado Wagner Alvares para prestar assistência jurídica aos associados. Ele não descarta a ocorrência de erro na emissão dos benefícios ou fraude.

“Nessa situação, pode ter havido um erro na hora da liberação do benefício, ou homônimos, onde não se observou a data de nascimento ou o nome da mãe ou, na pior das hipóteses, uma fraude. Se o INSS não resolver esse erro, se não ficar comprovado o erro, e sim uma fraude ou o órgão não restituir o direito do beneficiário, entraremos com uma ação na Justiça Federal requerendo o pagamento do benefício”, explicou Alvares.